A sensualidade e a graça do Lundu

Repleto de sensualidade e muito humor, o Lundu é uma canção/dança trazida pelos africanos escravizados vindos de Angola e do Congo no final do século XVII, resultado de uma mistura entre ritmos africanos com algumas características europeias, como o estalar dos dedos, a postura corpórea e o acompanhamento do bandolim.

O Lundu, de acordo com o pesquisador, jornalista e crítico musical José Ramos Tinhorão, tem sua origem na palavra calundu: um culto africano praticado no Brasil durante o período colonial e apontado por muitos historiadores como a formação inicial do Candomblé. O Lundu ainda é relacionado com a combinação entre umbigada africana e fandango europeu.

Considerado o primeiro gênero musical afro-brasileiro, o Lundu tinha como objetivo o cortejo amoroso entre os casais que se dava numa roda de batuques. A dança se iniciava com a mulher indo ao centro da roda, dançando de modo sensual e provocativo e assim despertando a atenção do homem, que se levantava para seguir seus passos. Ela, em meio ao charme e a recusa, acaba aceitando sua companhia, e é através da umbigada que esta relação se estabelecia. O corpo do dançarino executa gestos e movimentos que elucidam significados do seu contexto histórico-sóciocultural, em uma linguagem expressiva e dinâmica.

A canção de ritmo gingado, acompanhada de versos, tinha um apelo humorístico e de certa “amorosidade”. Esse gênero levanta a questão de um aspecto censurado da história da cultura colonial no Brasil, há casos em que a temática trata-se de um jogo de sedução entre o negro escravizado com a senhora (chamada assim de “sinhá”, “nhanhá” ou “iaiá”), e dessa relação vemos um discurso de desejo e violência em que essa sinhá que, ao mesmo tempo despreza esse homem, mostra uma intimidade.

 

Com o tempo, o Lundu foi se adaptando e sendo dançado em salões, bailes, circos e teatros do Brasil e do mundo (Foto: Reprodução) 
Muito semelhante a modinha que foi difundida paralelamente em Portugal, o Lundu apresenta características marcantes e bem definidas por seus compositores e público. Essa vertente é a matriz fundamental da nossa música brasileira, sendo o Lundu considerado o gênero que influenciou o samba.Com o passar do tempo, o lundu foi se adaptando e sendo dançado em salões, bailes, circos e teatros não só do Brasil, mas alguns outros países latino-americanos como a Argentina, Uruguai, Peru, Chile e Bolívia, atingindo grande popularidade.Com a difusão da dança, ela alcança o Norte e o Nordeste brasileiro, sobrevivendo até os dias de hoje, mesmo às escondidas. Cultivada por negros e mestiços, uma modalidade de dança de roda de Lundu mais comportado é praticada Ilha de Marajó e arredores de Belém, no Pará, agora conhecido como Lundu marajoara.Apesar de algumas modificações feitas por meio de desdobramentos de processos culturais que fazem parte das matrizes culturais marajoaras, a importância da conservação desta dança folclórica que ajudou a definir a identidade cultural brasileira precisa ser mantida, sendo ela uma das primeiras manifestações afro-brasileiras.

Do site Afreaka

 

Lundu↓

Lundu e modinha ↓

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s